• Logo_SEI
  • logo_seplan
  • Youtube
  • Twitter
  • Facebook
  • Instagram
  • linkedin
  • seibahia

  • SEIColab
  • SEIGEO
  • Infovis
Não publicado

Com o intuito de nortear as ações governamentais e dar autoridade às políticas públicas que impulsionam o desenvolvimento baiano, a Superintendência de Estudos Econômicos e Socais da Bahia (SEI), autarquia da Secretaria de Planejamento (Seplan), lançará no dia 15 de dezembro, às 15h, no auditório da Secretaria de Infraestrutura do Governo do Estado da Bahia (Seinfra), o projeto PENSAR A BAHIA.

Estruturado no início deste ano de 2022 pela Plataforma de Estudos Colaborativos (SEICOlab), o projeto será lançado no presente contexto de transição governamental e surgiu da necessidade de diálogos e reflexões propositivas sobre temas considerados estratégicos para o desenvolvimento do Estado, disponíveis na publicação “ Rodadas de discussão”, que será exibida durante o evento. 

O Projeto gera apontamentos para uma estratégia de desenvolvimento da Bahia a médio e longo prazo, objetivando reduzir as desigualdades, enfrentar a pobreza e fomentar o crescimento econômico com preservação ambiental.

Mais sobre a Plataforma SEICOlab

Trata-se de um canal de comunicação criado pela SEI para discussão de temas multidisciplinares e multidimensionais que permite a colaboração de diversos setores da sociedade. Ela contém projetos com objetivos distintos ou correlacionados, sempre com caráter colaborativo, viabilizando o aprofundamento de discussões sobre temas socialmente relevantes capazes de subsidiar ações do poder público e políticas públicas.

Acesse: https://estudoscolaborativos.sei.ba.gov.br

Fonte: ASCOM/SEI
06/12/2022.

O Indicador de Confiança do Empresariado Baiano (ICEB), índice que avalia as expectativas do setor produtivo do estado, calculado pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), marcou -91 pontos em novembro numa escala de -1.000 a 1.000 pontos. 

O ICEB, assim, assumiu o menor patamar desde maio deste ano e voltou a exibir registro abaixo de zero após três meses. A confiança do empresariado local, dessa forma, saiu da zona de Otimismo Moderado e adentrou a de Pessimismo Moderado

O resultado mais recente representou uma queda de 136 pontos quanto ao averiguado em outubro (45 pontos) – mais do que suficiente, portanto, para suplantar a alta imediatamente antecedente, de 30 pontos. Em relação ao registrado um ano antes (-156 pontos), a pontuação atual indicou um aumento de 65 pontos. 

A contração do nível de confiança de outubro a novembro aconteceu de forma generalizada, visto que foi realidade para cada uma das quatro atividades. No comparativo com o mesmo mês do ano antecedente, o aumento da confiança somente não foi visto em um dos setores: a Agropecuária, no caso. 

Do conjunto avaliado, os itens créditojuros e situação financeira foram aqueles com as piores expectativas do empresariado baiano. Em contrapartida, as variáveis câmbiovendas e exportação apresentaram os indicadores de confiança em situação menos desfavorável no mês. 

O boletim completo com as análises referentes ao mês de novembro pode ser acessado diretamente do site da SEI clicando aqui.

Fonte: ASCOM/SEI
01/12/2022.

A Cesta Básica de Salvador, calculada pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), com base em 2.142 cotações de preços em 95 estabelecimentos comerciais (supermercados, açougues, padarias e feiras livres) de Salvador, passou a custar R$ 481,90 no mês de novembro de 2022. Deste modo, quando comparado com o custo estimado no mês imediatamente anterior, houve uma redução de 1,73% – ou seja, uma diminuição de R$ 8,48 em relação ao valor registrado em outubro, em termos nominais.

Dos 12 produtos da cesta básica, dez registraram redução nos preços, a saber: banana-prata (-6,67%), açúcar cristal (-6,66%), leite (-5,25%), óleo de soja (-4,21%), manteiga (-3,61%), feijão (-2,65%), café moído (-1,72%), carne bovina (-1,48%), arroz (-1,45%) e o pão francês (-0,23%). Por sua vez, apresentou elevação a farinha de mandioca (9,11%) e o tomate (1,12%).

Nessa conjuntura, o trio composto por arroz, feijão e carne bovina variou -1,70% de outubro para novembro, tornando-se responsável por 38,42% (ou seja, R$ 185,13) do valor da Cesta Básica atual. Por sua vez, o quarteto com café moído, leite, pão francês e manteiga reduziu 2,38% de um mês ao outro, passando a responder por 35,95% (ou seja, R$ 173,22) do custo atual da cesta analisada.

Os produtos com as maiores participações no custo da Cesta Básica de Salvador no mês de novembro foram carne bovina (27,65%), o pão francês (16,84%) e o tomate (11,40%). Por sua vez, os componentes com as menores participações foram o açúcar cristal (2,64%), o óleo de soja (2,04%) e café moído (1,95%).

Por fim, em novembro de 2022, o tempo de trabalho despendido por um trabalhador soteropolitano para obter uma cesta básica foi de 94h34min, o que equivale ao comprometimento de 42,98% do valor líquido de um salário mínimo atual que é de R$ 1.121,10.

O boletim completo, contendo informações e constatações adicionais, inclusive análises mais qualitativas, pode ser acessado diretamente do site da SEI clicando aqui.

Fonte: ASCOM/SEI
01/12/2022.

Em outubro, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), a Bahia gerou 6.702 postos com carteira assinada, decorrente da diferença entre 69.817 admissões e 63.115 desligamentos. Trata-se, portanto, do décimo mês seguido com saldo positivo. Com este resultado, o estado passou a contar com 1.929.283 vínculos celetistas ativos, uma variação de 0,35% sobre o quantitativo do mês anterior. A capital do estado, Salvador, registrou um saldo de 1.610 postos de trabalho celetista.

De responsabilidade do Ministério do Trabalho e Previdência, os dados do emprego formal foram sistematizados pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria do Planejamento do Estado da Bahia (Seplan).

No mês, o Brasil computou um saldo de 159.454 vagas, enquanto o Nordeste registrou um ganho de 32.223 novos postos – o que representou variações relativas de 0,37% e 0,46% comparativamente ao estoque do mês anterior, respectivamente. Exceto o Amapá (-499 postos), todas as outras unidades federativas do país apontaram crescimento do emprego celetista em outubro deste ano.

Em termos absolutos, com 6.702 novos vínculos formais, a Bahia ocupou a segunda posição na geração de postos entre os estados nordestinos no mês, atrás apenas de Pernambuco (+8.113 postos). Dentre os entes federativos, ficou na oitava colocação. Em termos relativos, com variação percentual de 0,35%, situou-se na sexta posição no Nordeste e na décima quinta no país.

Na Região Nordeste, o estado de Pernambuco (+8.113 postos) liderou a geração de postos formais e foi acompanhado pela Bahia (+6.702 postos), Ceará (+5.005 postos), Alagoas (+4.335 postos), Maranhão (+2.965 vagas), Rio Grande do Norte (+2.009 postos), Paraíba (+1.230 vagas), Sergipe (+995 postos) e Piauí (+869 postos).

Do ponto de vista da variação relativa mensal do estoque, o estado de Alagoas (+1,11%), destaque da região, foi acompanhado por Pernambuco (+0,60%), Maranhão (+0,52%), Rio Grande do Norte (+0,44%), Ceará (+0,40%), Bahia (+0,35%), Sergipe (+0,34%), Piauí (+0,27%) e Paraíba (+0,27%), estes dois últimos com desempate apenas na terceira casa decimal.

No agregado dos dez primeiros meses de 2022, levando em conta a série ajustada, que incorpora as informações declaradas fora do prazo, a Bahia preencheu 131.631 novas vagas – aumento de 7,32% em relação ao total de vínculos celetistas do início do ano. O município de Salvador, por sua vez, registrou 36.756 novos postos no período. O crescimento do emprego celetista também foi observado no Brasil e no Nordeste no acumulado do ano, com 2.320.252 e 403.450 novas vagas, respectivamente.

Ainda em termos de saldo acumulado no ano, a unidade federativa baiana continuou à frente das demais do Nordeste, com Ceará (+67.588 postos) e Pernambuco (+66.670 postos) na segunda e terceira posições, respectivamente. Entre as unidades da Federação, o estado se posicionou na quinta colocação. Todos os estados do país registraram saldos acumulados positivos no período. Em termos proporcionais, a Bahia, com alta de 7,32% no ano, ficou na segunda posição dentro da região nordestina, seguindo o estado do Maranhão (+8,40%). No país como um todo, o desempenho relativo baiano posicionou o estado na décima colocação.

Na Bahia, em outubro, quatro dos cinco grandes grupamentos de atividades econômicas registraram saldo positivo de postos de trabalho celetista. O segmento de Serviços (+4.759 vagas) foi o que mais gerou postos dentre os setores. Em seguida, Comércio; reparação de veículos automotores e motocicletas (+1.732 postos), Indústria geral (+1.117 vagas) e Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (+344 postos) também foram responsáveis pela geração. Em contrapartida, o setor da Construção (-1.250 vagas) encerrou postos formais de trabalho.

Fonte: ASCOM/SEI
29/11/2022.

Foto: Paula Gróes/GovBa

Na manhã desta quinta-feira, a Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI) esteve na reunião executiva que ocorreu na Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS), para participar da apresentação do Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes do Estado da Bahia.

Representando a autarquia estava presente o diretor de Pesquisas, Jonatas Silva e a coordenadora de Pesquisas Sociais, Lucigleide Nascimento, junto com o secretário da SJDHDS, Carlos Martins. Regina Affonso, Presidente do Conselho Estadual da Criança e do Adolescente (CECA) e Lara Sousa Matos, Conselheira do CECA representando a comissão Intersetorial responsável pela elaboração do mesmo, apresentaram o plano ao secretário e aos presentes.

Em 2019, a convite do CECA, a SEI realizou o levantamento de dados com o objetivo de traçar um diagnostico socioeconômico das crianças e adolescentes do Estado da Bahia e o processo teve que ser adiado por conta da pandemia, sendo retomado agora em 2022 com a atualização do relatório. Utilizou-se dados do Ministério da Saúde, da Secretaria de Estado de Saúde da Bahia (SESAB), do Ministério da Educação, do Ministério da Cidadania e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Entre os resultados, revela-se emergente um olhar especial em relação ao aumento na incidência da vulnerabilidade econômica para crianças e adolescentes no estado, tanto em termos absolutos (a quantidade), quanto relativos: aumentou o percentual em analogia ao passado, e também em comparação ao Brasil – com maior intensidade no meio rural. Desperta atenção também o aumento nas notificações de casos de violência doméstica praticada contra crianças e adolescentes. No que tange à educação, especificamente acesso e frequência à escola, as crianças e adolescentes que habitam a zona rural continuam enfrentando uma situação mais desfavorável do que os que residem no meio urbano. Contudo, houve avanço nas condições de saneamento para este público a partir da queda da taxa de mortalidade atribuída a fontes de água inseguras, saneamento inseguro e falta de higiene.

A elaboração do relatório é de suma importância para o Estado, uma vez que o Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes do Estado da Bahia servirá como diretriz na criação de ações que melhorem a condição de vida deste grupo e poderá ser utilizado como direcionamento nos próximos dez anos, durante a implementação e criação de políticas públicas no Estado da Bahia. Espera-se que o plano oriente as ações para esse grupo de indivíduos, nos próximos três PPAS

O Secretário Carlos Martins finalizou a reunião agradecendo a SEI pela participação importante na produção do levantamento que integra o plano. “Agradecemos a SEI, o órgão é o orgulho de todos nós na construção de dados e pesquisas socioeconômicas para Bahia”.

Subcategorias

Destaque menor

Free Joomla! templates by Engine Templates