Página Inicial
Notícias
Acesso à informação

O Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) solicitou apoio do Tribunal de Contas da União (TCU) na análise do processo referente à Ferrovia Oeste-Leste (Fiol). O pedido foi encaminhado no dia 24 de junho, ao ministro Aroldo Cedraz, relator do processo que é pré-requisito para a conclusão das obras do trecho 1, entre Ilhéus e Caetité. As informações foram analisadas pela equipe de Conjuntura Econômica da Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria do Planejamento.

O vice-governador João Leão (PP), afirmou que a obra está na pauta do governo federal e deve ser retomada em breve. Segundo o líder do PP na Bahia o projeto já tem vários pontos quase concluídos e precisa apenas de obras de conclusão em outros.

De acordo com a Companhia Baiana de Pesquisa Mineral (CBPM), a ferrovia será fundamental para o desenvolvimento da Bahia. A estrada de ferro pretende acelerar o desenvolvimento dos municípios ao longo dos seus mais de 1000 km, principalmente dos setores de mineração e do agronegócio.

Segundo o presidente da CBPM, Antonio Carlos Tramm, “a Fiol é uma obra que vai fazer com o interior da Bahia aquilo que o Polo Petroquímico fez com a Região Metropolitana de Salvador. Esta é uma obra que precisa ser compreendida de maneira mais ampla, é um projeto estruturante. Não é uma chuva no sertão, é um rio perene que vai continuar passando”.

A agropecuária responde por 48,2% do pessoal ocupado no agronegócio baiano em 2019, conforme estimativa apresentada pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI). A estimativa considera as pessoas de 14 anos ou mais de idade ocupadas em relação à força de trabalho.

O Indicador de Confiança do Empresariado Baiano (ICEB), calculado pela SEI, apresentou, em maio, um quadro de menor confiança comparativamente ao observado no mês anterior. Trata-se do quarto recuo consecutivo. A queda na confiança de abril a maio aconteceu de forma generalizada, com todos os quatro grupamentos (agropecuária, indústria, comércio e serviços) registrando pessimismo.

Os detalhamentos dos setores, destacando alguns fatores que podem afetar as atividades de cada um, podem ser acessados no boletim completo no site da SEI clicando aqui!

 

Voltar ao topo